9 Informações INCRÍVEIS (A #9 é A Minha Preferida!)

Deixe A Sua Criatividade Rolar Solta

Pai das gêmeas Margarida e Iolanda, de dois anos e 7 meses, o cartunista Rodrigo Bueno, de trinta e seis anos, publica quase que todos os dias no Facebook ilustrações e textos sobre o assunto teu dia a dia com as pequenas. Pouco a insuficiente, a página foi ganhando fãs. Hoje, centenas de pais curtem, compartilham e comentam os trabalhos de Bueno. você pode tentar aqui Procuro encarar com este tópico, com o tema da fabricação dos filhos, com cuidado”, diz Bueno.

“Tento encostar o tópico de um jeito carinhoso. O cartunista admite que não tem a intenção de doar receitas a respeito como superar com os problemas de ser pai. Mas busca retratar os dilemas de teu dia a dia pra ponderar sobre isso suas ações. O sucesso fez com que alguns fãs pedissem a Bueno que publicasse seus textos e ilustrações em livro.

  • 4º China – quarenta e sete
  • vinte e sete de maio
  • 5 Mega Man
  • 26 “A Vingança do Enxame (Revenge of the Swarm)” Dan Riba Eugene Son 18/03/2011 11/09/2011 206

O Diário Ilustrado da Paternidade, todavia, não tem data pra ser impresso. “Eu não estou muito preocupado com isso neste momento, contudo as coisas são muito líquidas. Todavia, se o diário que conta as peripécias de Iolanda e Margarida pela fase dos 2 anos necessita permanecer por mais um tempo exclusivamente pela web, Bueno lançou pela última sexta-feira (7) um projeto similar. Iniciou coleta por financiamento coletivo pra imprimir o livro Bebegrafia — parceria dele com o bem como cartunista Victor Farat.

A publicação, prevista para o final do ano, necessita ter desenhos conjuntos a respeito do primeiro ano de vida dos filhos de qualquer um: além das gêmeas de Bueno, Ivo, filho de Farat, será personagem de Bebegrafia. R7 – Como nasceu a ideia do Diário Ilustrado da Paternidade? Rodrigo Bueno – Eu a todo o momento, desde da infância, tive um diário ilustrado da minha vida.

Sempre desenhei o que eu rodovia, o que eu vivia. Mas não publicava, nunca publiquei nada. A toda a hora foi algo muito pessoal. Entretanto, por outro lado, nunca tinha vivido uma situação que, apesar de pessoal, é comum a muita gente. E este é o caso da paternidade, da criação dos filhos.

Além do mais, eu havia acabado de mudar de cidade. No ano passado, saí de São Paulo e vim pro Rio. Assim, eu queria também mandar notícias à família e aos amigos. Foi no momento em que eu decidi descrever estas histórias no Facebook. R7 – Sendo assim começou com a vontade de mandar notícias à família e aos amigos?

Bueno – É. Acho que foram duas razões. Este negócio de mandar notícias foi o que me levou a tornar públicas as histórias. Porém o que me fez e faz desenhar é a inevitabilidade de ponderar, de pôr a cabeça no território. https://mongoose-iot.com/escolhendo-o-video-animado-direito-para-sua-moradia/ , e estou ainda, num instante de mudança da vida.

Sou pai na primeira vez, troquei de cidade, deixei o trabalho fixo que tinha para me dispensar às garotas e viver de frilas. conteúdo adicional , o Diário Ilustrado da Paternidade tem essa atividade de me amparar a sonhar a respeito do que ocorreu no dia. Trato de coisas que eu fiz e que, algumas vezes, eu não me orgulho. Não tenho uma probabilidade de aprovação.